Nova Apresentação do Clube de Astronomia de Baturité

pirestecnicoedificacao@hotmail.com

pirestenicoedificacao@hotmail.com

Saturno

Detail of Saturn
Source: Hubblesite.org

Certificado de Astrofisica

Certificado de Astrofisica

terça-feira, 31 de julho de 2012

pirestecnicoedificacao@hotmail.com

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Membros do Clube de Astronomia de Baturité (CAB)

Francisco Ilton Barrozo
José Aluisio Sabino
José Minau Castelo Branco Neto
Francisco Ferreira Pires
Francisco Torres de Paula
Antônio José Pires Oliveira
Alex Antônio de Melo
Francisco Jocélio Batista
Sandra Aguiar Cavalcante
Gervásio Lopes Coelho Neto
Lúcio de Souza Lima
Antônio Alsenor Abreu de Paula
Francisca Sueuda Araujo Pires
Maria Andréia C. Barbosa
Flavio Jery Uchoa Souto
Eugênio Alves de Melo Filho
Marcos Gomes de Matos
Jefferson Pires de Carvalho
Francisco Samuel de Aguiar Oliveira
Paulo Ederson Lima Soares
Elindomar Bessoni e Silva
Flávio Jakson do Nascimento Silveira
Leal Dutra Oliveira Júnior
Arnaldir Paranhos
Raimundo Nonato da Silva
Luana Kelly Pires Neri
Cinara de Fátima Pires Matos
Gilson Lima Eufrasio
João Paulo Leitão Ferreira
Manoel da Silva Araujo
Flaviano de Freitas Nascimento
Wilson Lima de Amorin
Fernando de Oliveira Bessa
Francisco Alairton Marinho Junior
Francisco Wilian de Moura
Francisco Tarço Salvador Batista
Débora Oliveira do Nascimento
Berenice Maciel Mesquita
Ricardo Braga de Andrade
Wanderillo Pinheiro Viana Junior
ArLey Flavio Moreira Borges
Antônio Fábio Matias de França
Renato Mizael Sousa Dias
Aldenir Rodrigues de Oliveira
Antônio jackson dos S. Cruz
Edilberto Bezerra Oliveira
Carlos Filipe de Souza Bessa
Carlos Roberto P. da Silva
Antônio José Leite de Albuquerque
Glaydson Pinheiro Farias
Francisco Davio Pereira do Nascimento
Cristiano de Sousa Granjeiro
Alan Jonnas Teixeira Martins
Francisco Evaldo Alves dos Santos
Tassia Maria de Lima Silveira
André Luis Freitas da Silva
Maria Eliane Mendonça
Cristiano de Lima Oliveira Vieira
Antônio Samuel da Costa Pinheiro


Violeta Maria de Siqueira Holanda
José Equitoualdo Geracino de Oliveira
José Gerlan Pereira de Paula
Carlos Jardel Bezerra Camurça
Bruno Hadley Vasconcelos Rufino
Maria Vanessa de Lima Xavier
José Valdevan Vasconcelos
Paulo Henrique Lima Julião
Daniele de Melo
Rui Maurilio Rodrigues Cavalcante
Francisco Edison de Souza Santos
Jorge Emídio Filomeno da Silva
Francisco Carlos da Costa Cardoso
Carlos Mauricio Gomes de Queiroz
Luiz Carlos Barros Barbosa
Herberlh Freitas Reis Cavalcante Mota
Clemilson Arruda Câmara
Maria Luciene Soares Arruda Câmara
Giuliano Gil O. Barros
Laila Cristina Lima Soares
Ricardo Alexandre A. Silva
Luciano de Souza Lima
Francisco Audizio Serafim de Lima
Francisco de Paula Ribeiro Lima
Francisvaldo Pontes dos Santos
José Marcelo Fernando de Brito
Francisco Antõnio dos Santos
Francisco Adalberto Oliveira da Silva
Francisco Everardo Rodrigues de Lima
Carlos Gardel de Souza Freitas
Rabi Soares Pimenta
José Levy Souza da Silva
Joaquim Galberto Ferreira de Almeida
Lucio Flávio Ribeiro
Jorge Luiz Ribeiro Portela
Camilo Ferreira Mendes
Raul Alber Ribeiro Portela

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

NOSSA LOCALIZAÇÃO NA VIA LÁCTEA

Prof. Renato Las Casas (01/08/01)


Imagine que em um futuro não muito distante (alguns poucos milhões de anos), algum descendente nosso tenha ido até uma galáxia vizinha em sua nave pessoal (isso será possível?) e em seu retorno à Terra tenha se deparado com a seguinte questão:
- Em que local da Via Láctea fica o Sistema Solar?
Imagine esse nosso descendente (vamos chamá-lo de Zul) se aproximando de nossa galáxia. Quanto mais se aproxima, maior ela parece ser. Para que "lado" desse imenso aglomerado de estrelas Zul deve se dirigir?
O Sol fica a aproximadamente 30.000 AL do centro da Via Láctea (raio 50.000 AL), mas em que direção?
Uma boa dica para Zul é orientar-se por uma galáxia anã descoberta em 1996, a vizinha mais próxima da Via Láctea. Apesar de muito próxima ela ainda não havia sido "vista" pois se encontra ao longo do plano que contém o disco de nossa galáxia, "escondida atrás do núcleo da mesma".
O Sistema Solar se encontra a aproximadamente 30.000 AL do centro da Via Láctea, no lado oposto ao dessa nossa vizinha.
Aproximando-se dessa região, Zul deverá procurar pelo braço espiral de Orion, que fica entre os braços de Sagitário (interno) e de Perseus (externo). É aí que o Sol se encontra.
Ainda não sabemos exatamente quantos braços a Via Láctea possui. Pelo menos mais um braço interno, ao qual denominamos Centauro, é certo que ela possui.
O Sol não é uma estrela que se destaque entre as demais. Para achar o Sol, Zul poderá orientar-se por duas estrelas, nossas vizinhas, muito brilhantes: A imensa Betelgeuse, uma estrela avermelhada (gigante vermelha) que se encontra a 428 AL do Sol; e Sirius, uma estrela branca, que se encontra a apenas 8,6 AL de nós.

Em nossa vizinhança imediata (a até 20 AL), encontramos pouco mais de vinte estrelas, onde o destaque é Sírius. A aproximadamente 4,3 AL do Sol encontramos as vizinhas mais próximas do Sistema Solar; um sistema triplo formado por Próxima Centauro (uma Anã Vermelha, muito fraca), a Centauro A (uma estrela branca de brilho mais ou menos o dobro do nosso Sol) e a Centauro B (uma estrela alaranjada de brilho equivalente ao do nosso Sol).

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

PROFESSOR BERNARDO RIEDEL

PRESIDENTE DE HONRA DO CLUBE DE ASTRONOMIA DE BATURITÉ - CE (CAB)

As invenções começaram cedo para Riedel. Em 1953, aos 13 anos, num acampamento de escoteiros, ele apaixonou-se pelo céu e construiu seu primeiro telescópio, uma estrutura quadrada feita de caixote de madeira. Em 1954, um grupo de astrônomos amadores em Belo Horizonte, entusiastas e abnegados, fundaram o CENTRO DE ESTUDOS ASTRONÔMICOS DE MINAS GERAIS (CEAMIG), ao qual Riedel filiou-se. E foi nesta organização não governamental que, ainda adolescente, ele começou a aprender e ensinar Astronomia: "Até um programa de rádio muito original foi criado em uma estação local em 1954: em uma nave espacial imaginária, um grupo de pessoas "viajavam" através do espaço enquanto o "comandante", que era astrônomo, descrevia os astros que estavam sobrevoando". Como resultado, a entidade teve atuação positiva em prol da Astronomia em Minas Gerais, tendo inclusive atuado de forma decisiva para a criação do Observatório Astronômico da Serra da Piedade, que pertence à UFMG.


A família acabou jogando-o na faculdade de Bioquímica e, depois, na de Engenharia Sanitária. Para não perder os astros de vista, Riedel passou a fabricar telescópios para amigos. Começou observando crateras na Lua e logo viajou para Júpiter. O professor calcula ter fabricado entre 1.500 e 1.600 aparelhos. Foram para escolas francesas, astrônomos amadores e tribos da Amazônia. "O primeiro telescópio do Norte do Brasil foi feito por ele. Instalei em Roraima para observar o cometa Halley em 1985. Muitos telescópios importados têm espelhos colocados em metal, que oxida com a umidade brasileira. Os do Riedel são colocados em vidro", ensina o físico Marcomed Rangel Nunes, do Observatório Nacional, no Rio. Segundo Marcomed, um dos trunfos de Riedel é dominar a tecnologia para fabricar telescópios com abertura de 18 centímetros, que capta mais luminosidade dos astros do que os aparelhos importados, com 15 centímetros de diâmetro, em média. Para o diretor do Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais, Eduardo Pimentel, Riedel é o melhor ótico do País. "A astronomia nacional deve muito a ele, apesar do velho atraso na entrega", atesta o astrônomo. Em 1977 transfere-se para o Observatório Astronômico da Serra da Piedade (Instituto de Ciências Exatas, Dep. de Física/UFMG), a convite de seu primeiro Diretor, prof. Francisco de Assis Magalhães Gomes, para ali atuar como óptico. Ocupou este cargo durante 21 anos, até que se aposentou em 1998. Participou de quase todos os movimentos para divulgar e incentivar a astronomia em Belo Horizonte e em Minas Gerais, incluindo o que culminou com a criação do Observatório Astronômico da Serra da Piedade e das tentativas de implantar um planetário em nossa capital. Em 1995 iniciou um programa de implantação de Observatórios Astronômicos no Brasil, fabricando as cúpulas e em um deles o telescópio. Foram 5 até agora:

OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO OSWALDO NERI (Belo Horizonte, MG), OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO DO RETIRO DAS PEDRAS (Brumadinho, MG), OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO DAS ARAUCÁRIAS (Araraquara, SP), OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO DO COLÉGIO NOSSA SENHORA DE NAZARÉ (Conselheiro Lafaiete , MG) e OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL VIÇOSA (Viçosa, MG) Com o objetivo de fabricar instrumentos astronômicos de qualidade para os astrônomos amadores brasileiros, fundou em 1978 em Belo Horizonte (MG), a B. RIEDEL CIÊNCIA E TÉCNICA. Em sua fábrica, a B. Riedel Ciência e Técnica Ltda., telescópios modernos nascem em meio a velhas máquinas de costura, colchões rasgados e geringonças enferrujadas que um dia poderão ter utilidade. Seu maior orgulho é a câmara de vácuo que consumiu cinco anos de trabalho, vários deles juntando polias de assadeira de frango (a popular televisão de cachorro), bomba de vácuo da Força Aérea americana e correia de copiadora. Antes de entrar na câmara de vácuo para ser transformada em espelho de telescópio, a lente é aquecida num antigo forno de pizza. O principal instrumento utilizado pelos astrônomos para estudar o Universo é o telescópio. Existem três tipos de telescópios: refratores, constituídos apenas por lentes; refletores, constituídos apenas por espelhos; catadióptricos, constituídos por lentes e espelhos. O telescópio refrator, é também chamado de luneta, principalmente quando é de pequena dimensão. A luneta de Galileu é um telescópio refrator, aonde a ocular é uma lente divergente. Até 1851, os espelhos em geral eram fabricados com uma liga metálica chamada "speculum", obtida mediante a fusão de cobre (71%) e estanho (29%). Na fabricação dos espelhos de seus telescópios (1671) Isaac Newton utilizava uma liga semelhante chamada "bell-metal", muito conhecida dos alquimistas da época devido a sua semelhança com a prata, à qual ele adicionava um pouco de arsênico. Quando polido, o speculum brilhava com uma reflexão da ordem de 50%. Mas devido a alta concentração de cobre, a liga se oxidava, perdendo grande parte de seu poder de reflexão, necessitando o espelho ser polido novamente. Esta era uma operação trabalhosa, pois os espelhos metálicos, além de difíceis de polir, eram muito pesados. Em 1851 o químico alemão Justus Von Liebieg desenvolveu um processo prático para a precipitação da prata metálica sobre superfícies de vidro, tornando-as refletoras.
Mesmo se oxidando depois de alguns meses, é mais fácil remover a prata do que polir novamente um pesado espelho metálico. A partir daí, os telescópios de reflexão tiveram um grande impulso, atingindo aberturas impossíveis de se obter com os telescópios de refração. Finalmente, em 1934 os físicos Strong e Williams nos Estados Unidos conseguiram simplificar a técnica de deposição do alumínio em alto vácuo sobre a superfície de espelhos astronômicos. Ao contrário da prata, o alumínio tem boa aderência ao vidro e grande resistência a oxidação, podendo um aluminizado durar anos, desde que bem cuidado. Mas nos grandes telescópios profissionais, geralmente de tubo aberto, a realuminização é feita uma vez por ano. A deposição é realizada em câmaras de vácuo aonde a pressão é muito baixa e a espessura da camada de alumínio obtida é da ordem de 1/1000 do mm. Riedel mantém desde 1990, em Belo Horizonte uma câmara de vácuo com capacidade para espelhos até 400 mm de diâmetro. Os espelhos dos grandes telescópios refletores utilizados pelos astrônomos profissionais necessitam ser realuminizado periodicamente. O professor afirma ter gasto com as invenções todo o dinheiro da venda de sete imóveis. Hoje ele tem cinco funcionários e se prepara para montar, na laje do galpão, um centro de observação celeste aberto ao público. Ninguém sabe quando ficará pronto. Ele tenta acionar amigos e clientes em busca de investimento para aumentar a produção de sua fábrica. Os telescópios da B. Riedel custam entre R$ 690 e R$ 2,6 mil, dependendo de tamanho, sofisticação e acessórios. No ano passado, Riedel se aposentou como professor da Universidade Federal de Minas Gerais. A burocracia e a falta de recursos, segundo ele, empurram os espíritos criadores para fora do País. "Nas universidades americanas, uma idéia começa a ser executada em um mês. Aqui, demora anos para sair do papel, quando sai".Fonte: http://www.terra.com.br/istoe/1615/ciencia/1615genio_sucata.htm http://www.telescopios.com.br/conhec.html http://www.iae.cta.br/Naee/palestra13.htm acesso em outubro de 2002 http://www.telescopios.com.br/ acesso em junho de 2005 envie seus comentários para abrantes@inpi.gov.br. Esta página não é uma publicação oficial da UNICAMP, seu conteúdo não foi examinado e/ou editado por esta instituição. A responsabilidade por seu conteúdo é exclusivamente do autor.

Via Lactea

Professor Bernardo Riedel

Estrela de Maior Massa

Nosso Clube de Astronomia de Baturité no ano Internacional da Biodiversidade

Eu Pires estou pedindo apoio para o Teleférico e o Centro Didático de Astronomia e Ciências Afins

Centro Didático de Astronomia e Ciências

Vídeos da History

O Universo mais estranho

Feira de Negócio no maciço de Baturité

Supernova

Supernovas Completos

Via Lactea Série TV

TV Nasa

Imagens do Universo

As Constelações parte 1

Constelações de Orion

A Via Láctea

As Constelações Parte 2

As Constelações Parte 3

As Constelações Parte 4

As Constelações Parte 5

Sistema Solar

Saturno parte 1

Saturno parte 2

Saturno parte 3

Saturno parte 4

Saturno parte 5

Clima Mais Selvagem do Cosmos

Clima mais selvagem do Cosmos

Clima mais selvagem do Cosmos 3

Clima mais selvagem do Cosmos 4

Clima mais Selvagem do Cosmos Parte 5

Grandes Viagens Espaciais da Nasa

Colonizando Marte parte 1

Colonizando Marte parte 2

Galáxias Distante